Tudo tão simples mas tão complicado!

Oie! Hoje o assunto vai ser meio down. Morte.
Antes de trabalhar como helper, até então, graças a Deus, nunca tive que lidar com a morte, ou pelo menos com o sentimento que fica quando alguém morre. Há muito tempo atrás, recebi a notícia de que uma vizinha lá do Brasil havia falecido. Eu fiquei triste obviamente, mas não entendia o sentimento que minha avó me descrevia pelo telefone. Minha avó dizia que, lá na rua, ninguém acreditava que ela havia falecido e, minha avó as vezes olhava pro portão dela só esperando o momento em que ela iria aparecer de novo. Foi só quando comecei a trabalhar como helper, que pude entender o que minha avó queria dizer. Entender e ao mesmo tempo não entender, porque na verdade, isso tudo é um enigma. Tipo, como assim? Ontem mesmo fulano estava sorrindo ao me dar tchau, o que você quer dizer com "fulano morreu" ??? Para! Brincadeira de mal gosto! Ontem mesmo eu vi, eu conversei, brincamos e demos risada, como assim fulano se foi? E nunca mais vai voltar? O dia passa e eu ainda perplexa. Mais um dia passa e mais outro e tantos outros, mas eu ainda chego na sala procurando por fulano, estranhando a ausência, até que a ficha cai. Cara, é um sentimento muito ruim! Outra coisa também, trabalhar no hospital me fez ver claramente como aqui nós não somos nada. Não digo aqui no Japão, digo no mundo. Tanta gente por aí que pensa que tem o rei na barriga, tanta gente que se preocupa com coisas que não valem a pena, tanta gente que complica tanto as coisas. Gente!!! Não compliquem as coisas, a vida por si só já é muito complicada! Eu sei, é um baita de um clichê, mas vamos dar mais valor as coisas simples porque no fim, não vamos passar de ossos enterrados. Simples assim.

8 comentários:

Garota Veneno disse...

Alguns clichês nunca saem de moda, por mais que todo mundo saiba que devemos aproveitar as coisas simples, insistimos no erro e não damos valor a simplicidade do dia a dia, algumas coisas como morte, violência e fome se tornaram comum a ponto de não nos causar mais desconforto!Ainda bem que vc ainda sente!
Tem sorteio lá no blog, se vc tiver algum conhecido no brasil para receber por vc!
Beijnhos, beijinhos!
A Garota Veneno!

Mika °° disse...

Oie Thayla,

Gostei da reflexão! Estranho, pois você nunca mais vai ver aquela pessoa. recentemente meu gato morreu, confesso que eu ainda não estou bem. Ainda chego em casa pensando que vou encontrar ele deitado na minha cama ou miando e pedindo comida. Sei que é um gato, mas eu amava muito e está sendo difícil aceitar. Com esse fato percebi que eu não sou uma pessoa que aceita coisas da "morte" muito bem.

Também concordo com vc que não podemos complicar a vida e dar importância as coisas simples, mas infelizmente nem todo mundo pensa assim.

Beijos e adorei o texto!

changinroom.blogspot.com

Lyra disse...

Querida, hoje recebi a notícia da morte da filha de uma colega e precisava escrever algumas palavras para ela... Isso tudo me fez lembrar da morte de minha mãe...

É tão difícil...

Sandra =^.^= disse...

Oi Thayla, obrigada pelo carinho.
Logo estarei bem e correndo por aí...se Deus quiser.
Beijos e ótimo dia pra ti.

Make Bafônica disse...

Obrigada linda!!! Tb estou a seguir seu blog e já coloquei tb seu link lá, beijos e fica bem...

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Thayla. Eu te entendo.
A gente infelizmente tende a achar que somos e que todos são eternos.desperdiçamos um tempo gigante com bobagens, coisas sem sentido, picuinhas e mesquinharias. E a vida passa tão rápido... contra a morte nada podemos fazer. adorei sua reflexão.
participe sim da blogagem coletiva. hj é nosso último dia de blogagem, mas tá valendo.
dai vc só avisa a Glorinha, é só clicar no link do começo da postagem, ta bom?
fique a vontade e escreva o que quiser. e participe da blogagem coletiva de domingo, cada um falará o melhor de si, proposta bacana né?

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Thayla, se te interessar essa é a blogagem coletiva de domingo

http://elainegaspareto.blogspot.com/2010/08/minha-festa-de-aniversario-comecou.html

bjs

Lyra disse...

Thayla, acho que já vi um aparelho desses na França tb, mas pode ser que eu estivesse doidona sim! E era bem caro tb!